Search This Blog

February 6, 2011

Estudo caracteriza perfis de ciberpredadores

Para além de ficarmos a perceber melhor como se comportam os ciberpredadores, o estudo alerta também para o comportamento de alguns jovens nas redes sociais:

«Outro dado preocupante deste estudo, que resultou de uma colaboração entre universidades do Reino Unido, Bélgica, Itália e Noruega, é que muitos jovens comportam-se online de uma forma que pode ser encarada como “sexualmente provocadora”, sem perceberem os riscos que correm, alertam os investigadores dando o exemplo do tipo de fotos muitas vezes colocadas nos perfis das redes sociais.»

Amplify’d from tek.sapo.pt
Ao contrário do que tem sido defendido, nem todos os predadores sexuais se comportam da mesma forma enquanto navegam na Internet, existindo pelo menos três tipos distintos de perfis, conclui o European Online Grooming Project.



Os primeiros resultados deste estudo europeu, feito a partir de entrevistas a ciberpredadores condenados no Reino Unido, Bélgica, Itália e Noruega, apontam para três tipos de comportamento diferenciado: o "Attachment Distorted", "Adaptable Offender" e "Hyper-Sexual".
“Estas novas evidências são um alerta para a urgência de que é preciso fazer mais para ajudar a que os jovens permaneçam online seguros”, dizem os investigadores. Stephen Webster, um dos responsáveis pela análise, refere que a adopção por partes das redes sociais de estratégias como o botão de pânico e o trabalho que está a ser feito para aumentar a consciencialização dos jovens sobre os riscos online é excelente, “mas este estudo indica que a abordagem generalizada já não é suficiente”.
Relativamente aos perfis definidos, os predadores do tipo Attachment Distorted acreditam que estão num relacionamento romântico e consentido com a criança, não usam imagens indecentes e não tentam esconder sua identidade. Este tipo de "groomer" (como são denominados em inglês os “aliciadores”) tende a passar muito tempo a socializar online com a vítima, para conhecê-la melhor antes de marcar um encontro pessoal.
Os Adaptable Offenders na maioria das vezes recorrem a identidades diferentes online, adaptando o seu estilo ao da criança com que estão em contacto. Encaram as vítimas que aliciam como sexualmente maduras e podem ou não utilizar imagens indecentes. Os encontros pessoais também podem ou não ser tentados.

Já os predadores do tipo Hyper-Sexual têm tendência para coleccionar quantidades enormes de imagens impróprias de crianças, mantendo-se em contacto com outros aliciadores online e apresentam pouco interesse em encontrar-se pessoalmente com a sua vítima. São igualmente características deste perfil a utilização de entidades diferentes e de perfis online sexualmente explícitos e o contacto rápido com a vítima.
Outro dado preocupante deste estudo, que resultou de uma colaboração entre universidades do Reino Unido, Bélgica, Itália e Noruega, é que muitos jovens comportam-se online de uma forma que pode ser encarada como “sexualmente provocadora”, sem perceberem os riscos que correm, alertam os investigadores dando o exemplo do tipo de fotos muitas vezes colocadas nos perfis das redes sociais.
Depois do estudo, o objectivo do European Online Grooming Project passa pelo desenvolvimento de um conjunto de recomendações sobre segurança online, tendo em conta as novas conclusões.



Read more at tek.sapo.pt
 

No comments:

Post a Comment

Note: Only a member of this blog may post a comment.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

The Rapid eLearning Blog

the elearning coach

Free Technology for Teachers

Moodle News

Faculty Focus

SHIFT's eLearning Blog

Learning with 'e's